quarta-feira, 6 de março de 2013

PLNM - UMA ABORDAGEM DIFERENCIADA


O ensino a alunos que têm o português como língua não materna exige uma abordagem diferenciada relativamente ao trabalho realizado com alunos que têm o português como língua materna (LM). Enquanto língua segunda e ainda que, em alguns casos, o português seja usado pela comunidade em que o aluno se insere, ele é primordialmente usado na escola e veículo de escolarização. Esta é uma diferença fundamental que deve nortear práticas metodológicas e avaliação.
Assim, enquanto os objetivos do ensino a falantes de língua materna, logo desde os anos iniciais, estão centrados na reflexão metalinguística e metadiscursiva sobre produções literárias e não literárias, os objetivos do ensino de LNM devem centrar-se na compreensão e produção de unidades comunicativas.

Objetivo geral:

Oferecer condições equitativas para assegurar a integração efetiva dos alunos, cultural, social e académica, independentemente da sua língua, cultura, condição social, origem e idade.
 

Objetivos específicos:

  1. Dominar oralmente e por escrito a língua portuguesa como língua veicular;
  2. Desenvolver uma progressiva autonomia pessoal no âmbito escolar e social;
  3. Integrar efetivamente os alunos no currículo nacional e em qualquer nível ou modalidade de ensino;
  4. Promover o sucesso educativo e o desenvolvimento de uma cidadania ativa e consciente.


In: Linhas Orientadoras para o trabalho inicial em Português língua não materna
Ensino Secundário, DGIDC






PLNM 2012-2013

 

Últimas informações do Ministério de Educação de 08/04/2013:


Sua referência: Nossa referência: OFC-DGE/2013/1 08-04-2013
 

 


DSDC/JNE


Assunto: Utilização de Dicionários nas Provas Finais de ciclo, Exames Finais Nacionais e Provas de Equivalência à Frequência



 
1. A utilização de dicionários nas provas/exames finais nacionais pelos alunos de Português Língua Não Materna (PLNM) rege-se pelo seguinte:

a) Os alunos de PLNM não estão autorizados a utilizar quaisquer dicionários na prova final/exame nacional de PLNM;

b) Os alunos de PLNM não podem beneficiar de qualquer outra medida ou tolerância de tempo para além da que está estipulada para os demais alunos;

c) Nas restantes provas/exames finais com enunciado em português é permitido utilizar o dicionário de Português – Língua Materna do aluno e Língua Materna do aluno – Português;

d) No caso de não existir dicionário de Português - Língua Materna do aluno, é permitido utilizar o dicionário de Português - Língua Segunda do aluno e Língua Segunda do aluno – Português;

e) Os alunos de PLNM inseridos no nível avançado não realizam a prova final/exame nacional de PLNM, podendo, no entanto, utilizar o dicionário de Português unilingue apenas nas provas finais/exames finais de Português.

2. A utilização em geral de dicionários nas provas/exames nacionais de disciplinas de língua estrangeira rege-se pelo seguinte:

a) Nas disciplinas de Língua Estrangeira, quando as informações - exame da responsabilidade do GAVE preveem a utilização de dicionários unilingues e/ou bilingues, os alunos podem ser portadores dos seguintes dicionários:
 
i. Dicionário unilingue da Língua Estrangeira a que se reporta a prova;

ii. Dicionário Língua Materna do aluno – Língua Estrangeira;

iii. Dicionário Língua Estrangeira – Língua Materna do aluno.

b) Nas provas de equivalência à frequência das disciplinas de Língua Estrangeira, dos 2.º e 3.º ciclos, os alunos podem utilizar dicionário unilingue e/ou bilingue a que se reporta a prova, de acordo com o previsto nas orientações programáticas das respetivas disciplinas e quando as Informações – Provas de Equivalência à frequência o preveem.

c) Nos exames de língua estrangeira realizados a nível de escola equivalentes a exames nacionais, do ensino secundário, Francês - cód. 317- (iniciação), Inglês- cód. 450- (iniciação), Alemão – cód. 801-(continuação) e Espanhol – cód. 847- (continuação), os alunos podem utilizar dicionário unilingue e/ou bilingue a que se reporta a prova, de acordo quer com o previsto nas orientações programáticas das respetivas disciplinas, quer com as Informações–Exame emanadas pelo estabelecimento de ensino para os referidos exames.

Com os melhores cumprimentos,

O Diretor-Geral

Fernando Egídio Reis
 
 

-----------------------------------------------------------------------------------------------
 ESCOLA SECUNDÁRIA JAIME MONIZ
 
No ano letivo 2012-2013, mantivemos o apoio diferenciado a nível do PLNM a todos os alunos provenientes de outros países, integrados nos níveis iniciação, intermédio e avançado.




 


 
Profª Carla Rodrigues e os alunos de  PLNM (nível avançado), Sebastian de Freitas (10º54), Luís Vieira (10º55) e Alexandre Correia (10º56) 







 


Profª Fátima Caetano e a aluna de iniciação ao PLNM, 
Sofiya Firemanyut (10º42)




 
Profª Carla Martins e os alunos Stanislav Kostiv (11º 30), 
Odlanier Guarema (11º32), António Fernandes (11º32)




 Profª Carla Martins e a aluna Andreea Sirbu (11º45)




 
Profª Fátima Matos e aluno Victor Steve (12º ano, Nível Avançado)




 





PLNM 2011-2012


Esclarecimento relativo à oferta de Português Língua Não Materna (PLNM) no ensino básico e no ensino secundário, a partir do ano letivo de 2011/2012:

http://www.dgidc.min-edu.pt/index.php?s=noticias&noticia=128

 ------------------------------------------------------------

ESCOLA SECUNDÁRIA JAIME MONIZ


Em 2011-2012, mantivemos os mesmos alunos na Disciplina de PLNM.


A grande novidade foi a chegada do aluno chinês Dongfang Li, integrado num projeto de intercâmbio cultural.



Dongfang participou em várias atividades da escola:

- foi membro do clube de teatro "Carlos Varela";
- foi figurante no filme  do Clube "Cinemoniz";
- foi finalista de 12º ano, tendo participado na Cerimónia da Benção da Capas, conforme fotos abaixo publicadas.


Os resultados forma extremamente positivos. Além de ter aprendido a nossa língua, Dongfang fez grandes amizades junto dos restantes colegas e professores. 



Atualmente está a frequentar uma Universidade na China, mas mantém o contacto connosco através do email pessoal.













Eis a reportagem sobre a Benção da Capas, na Revista online «O LYCEU» da Escola Secundária Jaime Moniz: http://folheandolyceu.blogspot.pt/


ALUNOS DE PLNM EM 2010-2011



Foram inseridos no nível de iniciação os alunos:
  1. do Uzbequistão - Sanjar Homidov (10º17)

No nível intermédio foram integrados os alunos:
  1. de nacionalidade venezuelana - Rui Lima (10º32);
  2. da Ucrânia - Stanislav Kostiv (10º31);
  3. da Moldávia - Daniel Serbul (10º45)

No Nível avançado:
  1. de Inglaterra - Victor Steve Abreu Fernandes (10º41), Sofia Carolina Reis (10º44);
  2. Curaçau - Bryant Gonçalves Gouveia (11º45);
  3. de África do Sul - Natalie Mendes Camacho (10º44);
  4. Rússia – Dasha (10º21);
  5. Moldávia – Alina Dianova (11º13);
  6. Venezuela - José Gregório do Nascimento Pascoal (11º13), Márcio de Gouveia Rodrigues (12º16), 

PLNM - 2010/2011 - OS ALUNOS PARTILHAM NA REVISTA DA ESCOLA VIVÊNCIAS NA SUA TERRA NATAL

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

PLNM 2009-2010




No presente ano lectivo, a Escola Secundária Jaime Moniz disponibiliza aos alunos cuja língua materna não é o Português a frequência das seguintes turmas de PLNM:




Em conformidade, as aulas de Português LNM devem ter como prioridade:

a) no nível de Iniciação
desenvolver a compreensão oral, fundamental para que o aluno possa acompanhar as aulas das diferentes disciplinas do currículo; garantir a aprendizagem do léxico e das estruturas fundamentais; e acrescentar-lhe progressivamente os termos técnicos, a sintaxe e as estruturas textuais próprias de cada uma das disciplinas.

b) no nível Intermédio
desenvolver as diferentes competências e assegurar uma progressiva confluência com os objectivos e conteúdos do programa de Português LM, designadamente no que toca ao domínio metalinguístico e metadiscursivo.

c) no nível Avançado
possibilitar o acompanhamento do currículo nacional, com vista a um progressivo desenvolvimento linguístico e conhecimento da literatura portuguesa.

PLNM- NÍVEL AVANÇADO - 2009-2010

PLNM - NÍVEL INICIAÇÃO - Turma B - 2009-2010














Os alunos de PLNM apresentam normalmente necessidades a vários níveis:

• linguístico – resultantes do desconhecimento total ou parcial da língua portuguesa e dos códigos culturais da sociedade de acolhimento a ela associados, com consequências tanto para as relações interpessoais e sociais, como para a aprendizagem nas restantes disciplinas;

• curricular – resultantes das diferenças de currículo entre o país de origem e o país de acolhimento, podendo constituir saberes insuficientes para o avanço das aprendizagens;

• de integração – resultantes das diferenças sociais e culturais entre o país de origem e o país de acolhimento, acrescendo, por vezes, condições sociofamiliares desfavorecidas.

in: Linhas Orientadoras para o trabalho inicial em Português língua não materna Ensino Secundário, DGIDC




quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010

PLNM - NÍVEL INICIAÇÃO - Turma A - 2009-2010






A especificidade do trabalho com alunos que têm o português como LNM deve-se também ao facto de estes alunos constituírem um grupo heterogéneo sob diversos pontos de vista:

(1) etário: ao contrário do que acontece com a LM, em que o desenvolvimento cognitivo se faz a par do linguístico, no caso da aquisição de LNM, em geral, assim não acontece. Em conformidade, a selecção das actividades lectivas deve ter em consideração, tal como no caso da LM, não só a adequação destas à proficiência linguística do aluno, mas também à sua idade. Dito de outro modo: o professor deve assegurar-se de que as actividades propostas estão de acordo com o nível etário e linguístico do aluno.

(2) linguístico: a população que tem o português como LNM abrange alunos:
a) falantes de diferentes LM, umas mais próximas, outras mais afastadas do português, propiciando diferentes graus de transferência de conhecimentos linguísticos e de experiências comunicativas;
b) em diferentes estádios de aquisição;
c) que, fora da escola, o usam em maior ou menor número de contextos e com um grau de frequência desigual;
d) e que dispõem de diferentes capacidades individuais para discriminar, segmentar e produzir sequências linguísticas.

(3) cultural: diferentes hábitos de aprendizagem, bem como diferentes representações e expectativas face à escola.
A combinação de todos estes factores conduz a ritmos de progressão distintos.

in: Linhas Orientadoras para o trabalho inicial em Português língua não materna Ensino Secundário, DGIDC

segunda-feira, 6 de julho de 2009

Alina Dianova - Nível Intermédio - aluna de 10º ano - 2008-2009


Débora - aluna de PLNM (em preparação para o Exame 639 de 12º ano) 2008-2009


Mark Odenthal - aluno de PLNM - Nível Avançado - 2008-2009



De acordo com o consignado no Decreto-Lei n.o 74/2004, de 26 de Março, diploma que regulamenta a Reforma do Ensino Secundário, compete às escolas proporcionar actividades curriculares específicas com o objectivo de reforçar a aprendizagem do Português, bem como a sua aprendizagem como segunda língua por alunos com outra língua materna.

Tendo também presente o disposto no Decreto-Lei n.o 227/2005, de 28 de Dezembro, diploma que define o regime de concessão de equivalência de habilitações de sistemas educativos estrangeiros a habilitações do sistema educativo português, os alunos que ingressam no sistema educativo nacional devem beneficiar de apoio pedagógico adequado à sua situação e enquadrado no projecto educativo do estabelecimento
de ensino, apoio que se deve centrar na superação de dificuldades verificadas, designadamente no domínio da língua portuguesa.

Incumbe, pois, às escolas e aos agrupamentos de escolas, no âmbito da sua autonomia e no respeito pelos princípios consagrados nos citados diplomas legais, encontrar respostas adequadas para que estes alunos usufruam de actividades que lhes garantam um domínio suficiente da língua portuguesa enquanto veículo dos saberes escolares,permitindo a sua integração no sistema educativo nacional.
Despacho normativo n.o 30/2007

Drª Fátima Matos - Coordenadora do PLNM na Escola Secundária Jaime Moniz


Drª Carla Rodrigues - Professora de PLNM (com formação nesta área)


Drª Micaela Martins - Professora de PLNM (com formação académica nesta área)




As mudanças ocorridas na sociedade portuguesa nas últimas décadas,
em resultado de sucessivos movimentos migratórios, colocam
constantes desafios às escolas que, num esforço suplementar, procuram
fazer da diversidade um factor de coesão e de integração.

A heterogeneidade sócio-cultural e a diversidade linguística da respectiva
população escolar representam uma riqueza singular que implica a criação de condições pedagógicas e didácticas inovadoras capazes de lhe proporcionar a adequada aprendizagem da língua portuguesa em todas as áreas do saber e da convivência.

Numa sociedade multicultural, como é a portuguesa, o reconhecimento e o respeito pelas necessidades individuais de todos os alunos e, em particular, pelas necessidades específicas dos alunos recém-chegados ao sistema educativo nacional devem ser assumidos como princípio fundamental através da construção de projectos curriculares que assegurem condições equitativas de acesso ao currículo e ao
sucesso educativo.

Tal princípio é garantido quer por diversos instrumentos da ordem jurídica constitucional e infraconstitucional portuguesa quer ainda no âmbito das normas constantes de diversos instrumentos de direito internacional ratificados e subscritos pelo Estado Português.


Despacho normativo n.o 30/2007

Aula de Nível Avançado - 12º ano - PLNM - Profª Micaela Martins


Teste de avaliação - 10º ano


Aula individual de PLNM na Escola Secundária Jaime Moniz- Nível Intermédio- Profª Carla Rodrigues


sexta-feira, 20 de fevereiro de 2009


DISCIPLINA DE PORTUGUÊS LÍNGUA NÃO-MATERNA

ESCOLA SECUNDÁRIA JAIME MONIZ


No ano 2007-2008, a Escola Secundária Jaime Moniz contava com 142 alunos provenientes de diferentes países, essencialmente de Inglaterra, África do Sul, França e Venezuela.

Assim, dando cumprimento ao Despacho 30/2007 do Ministério de Educação, foi pedido, em Outubro, aos professores de Português L1 da nossa escola que identificassem, nas respectivas turmas, os alunos que não dominam a língua portuguesa.

Os docentes fizeram esse estudo e foram seleccionados apenas treze alunos. Os restantes já tinham chegado a Portugal há mais tempo e muitos tinham feito o ensino básico na Madeira. Eram essencialmente filhos de emigrantes.

A estes treze meninos foi realizado um diagnóstico oral e escrito. Os restantes não foram abrangidos pelo PLNM pelo facto de acompanharem perfeitamente o currículo nacional e demonstrarem um nível de proficiência linguística equivalente ao B2.

Assim, após a constituição do retrato da população escolar da Escola Secundária Jaime Moniz que não tem o português como língua-materna, foi criada, em Outubro de 2007, a Disciplina de PLNM.

Na nossa escola, foi essencialmente dirigida a alunos estrangeiros que integram o sistema educativo português e que não dominam a língua de escolarização e a alunos portugueses ou de ascendência portuguesa, provenientes de países cuja língua oficial não é o Português e que não dominam a língua de escolarização;

Para o Nível de Iniciação da disciplina de PLNM, foram criados materiais didácticos pela docente Carla Rodrigues, com vista ao cumprimento de conteúdos programáticos equivalentes ao do programa do Currículo Nacional.

Refira-se que no ano lectivo 2007-2008, o trabalho desenvolvido não teve ainda por base as orientações programáticas de PLNM, apenas homologadas em Abril de 2008 pelo Ministério de Educação.

As alunas da Iniciação (inicialmente duas e depois uma apenas) trabalharam essencialmente com o Portefólio (mediante as orientações ministeriais) e elaboraram testes intermédios. O recurso ao Portefólio permitiu uma avaliação do processo e do produto final e revelou-se um eficaz meio de trabalho, permitindo a reescrita permanente e o aperfeiçoamento das várias competências linguísticas.

Relativamente ao Nível Avançado, as docentes deram um apoio directo às dificuldades decorrentes do Programa de 11º e 12º anos, desenvolvendo essencialmente a competência da Escrita, área considerada a mais deficitária. Refira-se que foi necessário redobrar o número de aulas de PLNM, a pedido dos alunos, para dar o necessário apoio, trabalho que foi executado pela docente Bela Menezes a título de oferta formativa à escola.
A coordenadora da disciplina cumpriu os seguintes procedimentos:
- fez um curso de Formação de Formadores de PLNM, ministrado por especialistas convidados pelo Ministério, na Universidade Nova de Lisboa (50 horas);
- deu formação a dois professores de PLNM desta escola (integrados nas turmas de Formação PLNM da DRE – Madeira);
- coordenou e produziu o material para a fase de diagnóstico; - coordenou a reunião geral com todos os alunos de PLNM de todos os anos lectivos;
- organizou as turmas;
-reuniu com os professores tutores para planificar e coordenar o trabalho;
- produziu alguns materiais de apoio;
- estabeleceu os necessários contactos com os coordenadores do Projecto a nível nacional;
- produziu o relatório final;

Não tendo ainda valores estatísticos apurados, poderemos referir que os alunos apoiados pelo PLNM tiveram sucesso na disciplina de Português com notas que oscilaram sensivelmente entre os 10 e os 14 valores.

Nenhum dos discentes de PLNM desta escola realizou o Exame Nacional de PLNM em 2008.

Mediante os resultados obtidos e cumprindo integralmente a legislação, a coordenadora de PLNM, tomou a iniciativa de apresentar ao Conselho Executivo o projecto de reestruturação da Disciplina para o ano lectivo de 2008-2009, visando uma maior rentabilidade de tempo e de recursos humanos, na perspectiva de poder abranger todos os alunos de Português Língua Não Materna na nossa escola.

A Escola Secundária Jaime Moniz também disponibilizou as suas instalações para que aqui fosse dada a formação em PLNM aos docentes de todas as escolas Básicas (2º e 3º ciclo) e de Ensino Secundário da Região Autónoma da Madeira, cursos que se realizaram entre 07 a 11 de Julho de 2008, da responsabilidade da Secretaria Regional de Educação.

A coordenadora da Disciplina de PLNM:
Fátima Matos

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2009

Despacho 30/2007

Este é o despacho ministerial que cria a Disciplina de Portuiguês Língua Não Materna no Ensino Secundário